quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Conversa com meu Anjo

    
                                   Fra Angélico (1395 - 1455 ) - pintor da fase inicial do Renascimento.


Conversa com meu Anjo



Para começar, sei como você é, meu Anjo.

Um Ser de Luz, de beleza indescritível, presença protetora e amigável; ri e chora comigo, sabe se estou triste ou alegre.

E me escuta, por isso falo com você tão natural e facilmente.

Conheço-o desde que nasci e você me conhece desde muito antes. Ensinou-me a lidar com os seus mistérios, porque sem eles, Anjo nenhum existiria.

É quando estou no mais alto ou no mais baixo das minhas dimensões humanas que mais preciso de sua proteção, de seus braços de Anjo abertos para mim, de suas mãos seguras e firmes a me guiar. No mais fundo dos abismos ou no mais alto dos céus da minha condição humana, na subida e na descida das emoções e afetos que mais fico vulnerável e necessito de sua Presença.  Não sei andar sozinha, preciso muito de você, meu Guia.

Suplico que seu olhar divino e iluminado me olhe para que os olhares humanos sejam compreendidos e deles eu não fuja, pois também meus olhares são demasiadamente humanos.

Acompanhe-me em minha jornada terrena, seja ela longa ou breve. E depois, ah,  depois, quem sabe?

É sempre no agora que preciso de você, e aqui.

Espero por você, meu Anjo, agora, agorinha mesmo...

Amém!

"Ela acreditava em anjos e, porque acreditava, eles existiam." (Clarice Lispector)
 
 




quinta-feira, 23 de março de 2017

Sonhos estelares

                                              

                                                                                                   


                                         
                                                            Bordado em cetim e pérolas sobre fundo
                                                            de algodão cru.
                                                            Moldura em renda de seda.
                                                           - Regina Gaiotto

                                                          

                                         Caiu do firmamento uma estrela.
                                         Num piscar de olhos
                                         chocou-se com o oceano,
                                         foi parar junto aos que habitam
                                         as águas frias de sal.

                                        Um cavalo-marinho
                                        engravidou-se de estelares desejos
                                        e num piscar de cores
                                        deu à estrela presentes
                                        lilases, laranjas, turquesas.

                                       No castelo de corais,
                                        a maga das profundezas
                                        fez com que ele parisse
                                       a mais bela estrela-do-mar.